Site Overlay

Táticas inovadoras para aumentar o envolvimento dos funcionários em 2024


Este ano tornou-se cada vez mais evidente que o sucesso de qualquer organização depende do seu activo mais valioso: as suas pessoas. Enquanto o a força de trabalho moderna continua a evoluir, é imperativo que os empregadores reconheçam o papel basic que os trabalhadores desempenham, especialmente quando se trata do sucesso das suas empresas. Uma questão premente que exige atenção e que tem o poder de ameaçar a rentabilidade neste momento é a satisfação dos funcionários.

Estudos recentes mostram que os índices de satisfação no trabalho são chocantemente baixo, com quase 22% dos profissionais descrevem sua satisfação no trabalho como excelente. Este número preocupante diminui ainda mais para 13% entre os funcionários que não exercem funções de supervisão. Este forte contraste sublinha a necessidade premente de os empregadores abordarem a crescente insatisfação entre a sua força de trabalho.

Para revigorar o ethical no native de trabalho e aumentar o envolvimento dos funcionários, as organizações devem adotar uma abordagem centrada nas pessoas para alcançar os resultados desejados e priorizar o bem-estar e a satisfação dos funcionários como uma contribuição estratégica para o sucesso a longo prazo.

Bem-estar acima do salário

Nos últimos anos, tornou-se claro que as pessoas estão a dar grande importância ao equilíbrio entre vida pessoal e profissional. Surpreendentemente, o bem-estar tem precedência sobre o salário como o principal contribuinte para a satisfação no trabalho, com mais funcionários buscando equilíbrio entre suas vidas profissionais e pessoais.

As visões desatualizadas do sucesso tradicional, medido apenas pela compensação financeira, estão a evoluir e as organizações que reconhecem a importância de promover ambientes onde os funcionários possam florescer dentro e fora do escritório estão mais bem equipadas para atrair e reter talentos. Ao desenvolver políticas inovadoras – como horários de trabalho flexíveis, opções de trabalho remoto, políticas de licenças melhoradas e programas de melhoria de competências e requalificação – as organizações podem criar uma cultura de native de trabalho mais inclusiva e adaptável. Esses tipos de iniciativas não beneficiam apenas os funcionários individualmente, mas também promovem uma força de trabalho diversificada e engajada.

Abraçar o conceito de sucesso como um empreendimento multifacetado que inclui crescimento pessoal, equilíbrio entre vida pessoal e profissional e desenvolvimento de competências alinha-se com a dinâmica de mudança da força de trabalho. Como resultado, as empresas com visão de futuro não estão apenas a investir no desenvolvimento profissional dos seus colaboradores, mas também no seu bem-estar geral, levando a um aumento da lealdade, da produtividade e das receitas.

Redefinindo avaliações de desempenho

As análises de desempenho padrão não são suficientes, pois novos dados apoiam fortemente criando novos padrões avaliar o desempenho dos funcionários, já que as revisões anuais ou semestrais não estão mais alinhadas com o ritmo da maioria dos locais de trabalho. Em vez disso, para cultivar um sentido de envolvimento e transparência, avaliações de desempenho mais frequentes e orientadas para objetivos revelam-se mais eficazes tanto para os colaboradores como para os gestores. Em vez de esperar meses para fornecer suggestions, as organizações estão migrando para avaliações contínuas de desempenho, permitindo ajustes, crescimento e desenvolvimento em tempo actual.

É essential criar consciência do impacto de um indivíduo nos objetivos da empresa e de seus pares. Ao deixar de apenas avaliar o desempenho de um indivíduo para avaliar o impacto de um funcionário, você pode ajudar a conectar o trabalho dele às prioridades estratégicas e às pessoas ao seu redor. As pessoas que discutem os seus efeitos nos objectivos globais e nos pares têm 2x mais probabilidades de classificar o desempenho das organizações como excelente e de se sentirem reconhecidas pelos líderes.

Promovendo a Inclusividade e a Harmonia Cultural

Apesar de estar na vanguarda da agenda corporativa mais ampla já há algum tempo, muitas organizações de diversidade, equidade e inclusão (DEI) iniciativas ainda erram o alvo quando se trata de criar ambientes verdadeiramente inclusivos. Uma questão gritante é a notável falta de foco na empatia, que pode ter um impacto negativo na cultura e no ethical de uma organização.

Para ter um native de trabalho inclusivo, que enfatize a pertença, os líderes empresariais precisam de derrubar os muros que os estereótipos construíram. Programas DEI bem-sucedidos se destacam no cultivo de uma cultura que promove conversas abertas, sinceras e introspectivas. Esses são os tipos de diálogo que podem ampliar o entusiasmo e a motivação para colaborar – aumentando o envolvimento, a retenção e o sucesso geral. Mas muitas vezes pode ser difícil ter essas conversas. Para combater isto, as organizações precisam de garantir que o seu native de trabalho tenha uma mentalidade voltada para o exterior, onde os indivíduos possam desenvolver uma apreciação genuína pela diversidade e procurar ativamente formas de desmantelar as barreiras sistémicas.

Para realmente mudar uma cultura organizacional, os líderes precisam abordar as crenças e comportamentos prejudiciais que impedem as pessoas. Ao mudar as mentalidades, as organizações podem preparar o caminho para mudanças reais, criando locais de trabalho inclusivos que abracem diversas perspectivas e façam com que todos se sintam valorizados e incluídos.

Abraçando a tecnologia colaborativa

Com os acordos de trabalho remoto e híbrido a tornarem-se a nova norma, estas mudanças apresentam uma necessidade de colaboração eficaz numa força de trabalho dispersa. As organizações devem abraçar a tecnologia colaborativa que permite que os funcionários trabalhem perfeitamente, estejam eles no escritório, trabalhando totalmente remotos ou em algum ponto intermediário.

Ferramentas, incluindo plataformas de videoconferência, software program de gerenciamento de projetos e quadros brancos virtuais, são essenciais para promover o trabalho produtivo em equipe além das fronteiras físicas. Além disso, incentivar uma cultura de colaboração digital através do fornecimento de formação e recursos é essencial para maximizar o potencial destas tecnologias. A colaboração eficaz não só aumenta a produtividade, mas também pode reforçar um sentimento de unidade e envolvimento entre os funcionários, independentemente da sua localização física.

Cultivando uma cultura positiva

Mais do que uma palavra da moda, criar uma cultura empresarial positiva pode ser um catalisador para o envolvimento e a produtividade dos funcionários. Unidos por valores partilhados, um sentimento de pertença e um maior foco no bem-estar, os colaboradores têm maior probabilidade de se sentirem motivados e comprometidos com o seu trabalho e com os objetivos da organização. Um senso de propósito pode diminuir significativamente os sentimentos de isolamento ou alienação e pode tornar o native de trabalho um ambiente mais gratificante.

A revitalização do ethical no native de trabalho no próximo ano exigirá um pensamento e táticas inovadoras, como a priorização do equilíbrio entre vida pessoal e profissional, a promoção de iniciativas de DEI centradas na empatia, a redefinição das avaliações de desempenho, a adoção da tecnologia colaborativa e o cultivo de culturas positivas para impulsionar as empresas em direção a um futuro melhor. de maior engajamento e satisfação dos funcionários. Ao adotar abordagens centradas nas pessoas, as organizações podem criar ambientes de trabalho onde os funcionários não são apenas produtivos, mas também genuinamente satisfeitos.

Por Lisa Sharapata, CMO do Arbinger Institute.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

17 − catorze =