Site Overlay

Juiz peruano decidirá sobre detenção de ex-presidente em meio a protestos



Comente

LIMA, Peru – Protestos violentos que atrapalham o turismo e o comércio no Peru persistiram na quinta-feira, enquanto um juiz considera se deve manter o ex-presidente do país sob custódia enquanto as autoridades abrem seu processo contra ele por incitar uma rebelião.

A decisão sobre a detenção do ex-presidente Pedro Castillo por até 18 meses ocorre após o governo na quarta-feira declarado estado policial em um esforço para acalmar os protestos, que levaram a pelo menos oito mortes.

Castillo’s apoiadores começaram a protestar na semana passada depois que ele foi removido do poder e levado sob custódia após sua tentativa de dissolver o Congresso antes de uma votação de impeachment.

O procurador supremo do Peru, Alcides Chinchay, disse no tribunal na quinta-feira que Castillo enfrenta pelo menos 10 anos de prisão pela acusação de rebelião.

Os manifestantes estão exigindo A liberdade de Castillo, a renúncia da presidente Dina Boluarte e o agendamento imediato de eleições gerais para escolher um novo presidente e membros do Congresso. Eles queimaram delegacias de polícia, tomaram uma pista de pouso usada pelas forças armadas e invadiram a pista do aeroporto internacional de Arequipa, porta de entrada para alguns dos pontos turísticos do Peru.

O trem de passageiros que transporta visitantes a Machu Picchu suspendeu o serviço, e bloqueios de estradas na Rodovia Pan-Americana pararam caminhões de reboque por dias, estragando alimentos com destino à capital. Em Cusco, um dos principais destinos turísticos, as pessoas ficaram presas na quinta-feira em hotéis e no aeroporto. Entre eles estão 20 cidadãos do Equador, segundo um comunicado do Ministério das Relações Exteriores daquele país.

A audiência digital sobre a detenção de Castillo ocorreu mesmo que ele se recusasse a ser notificado. Em sua ausência, Castillo foi representado por um defensor público porque ele e sua equipe jurídica se recusaram a participar, argumentando que a audiência carecia de “garantias mínimas”.

Na quarta-feira, Boluarte tentou aplacar os manifestantes dizendo que as eleições gerais poderiam ser agendadas para dezembro de 2023, quatro meses antes do prazo que ela havia proposto ao Congresso apenas alguns dias antes.

Todas as mortes relacionadas a protestos ocorreram em áreas rurais, comunidades empobrecidas fora de Lima que são baluartes para Castilloum neófito político e ex-professor de um distrito pobre da montanha andina.

Em Andahuaylas, onde pelo menos quatro pessoas morreram desde o início das manifestações, nenhum soldado esteve nas ruas na quinta-feira, apesar da declaração do governo permitindo que as forças armadas ajudem a manter a ordem pública.

Alguns donos de mercearias estavam limpando as estradas cheias de pedras e pneus queimados, mas planejavam fechar as portas por causa dos esperados protestos liderados por pessoas de comunidades rurais próximas.

A esperada decisão do juiz Cesar San Martin Castro sobre a detenção de Castillo ocorre depois que o Congresso o privou do privilégio que impede os presidentes de enfrentar acusações criminais.

A tentativa de Castillo de dissolver o Congresso veio antes da terceira tentativa dos legisladores de impeachment desde que foi eleito em julho de 2021. Depois que o Congresso o retirou do poder, o veículo de Castillo foi interceptado enquanto ele viajava pelas ruas de Lima com seus seguranças.

Chinchay, o principal promotor do governo, insistiu que Castillo é um risco de fuga, dizendo que ele estava tentando entrar em contato com a embaixada mexicana para pedir asilo depois de deixar o palácio presidencial. Ele citou comentários do presidente mexicano e do ministro das Relações Exteriores, indicando que o México estava aberto a conceder asilo.

“Não acreditamos que ele queria ir à embaixada mexicana para tomar chá”, disse Chinchay.

O defensor público de Castillo, Italo Díaz, rejeitou que o ex-presidente é um risco de fuga. Ele disse ao juiz que os filhos e a esposa de Castillo dependem dele e que ele poderia voltar ao trabalho de professor se fosse libertado.

A declaração do estado de emergência suspende os direitos de reunião e de circulação e habilita a polícia, apoiada pelos militares, a revistar as casas das pessoas sem autorização ou ordem judicial.

O ministro da Defesa, Luis Otarola Peñaranda, disse que a declaração foi aceita pelo conselho de ministros.

Na quarta-feira, Boluarte pediu calma enquanto as manifestações contra ela e o Congresso continuavam.

“O Peru não pode transbordar de sangue”, disse ela.

Em uma carta manuscrita compartilhada na quarta-feira com a Related Press por seu associado Mauro Gonzales, Castillo pediu à Comissão Interamericana de Direitos Humanos que intercedesse por seus “direitos e pelos direitos de meus irmãos peruanos que clamam por justiça”. A comissão investiga denúncias de violações de direitos humanos e as processa em alguns casos.

Os escritores da Related Press, Franklin Briceño, em Andahuaylas, Peru, e David Pereda, em Lima, contribuíram para este relatório.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

nove + 18 =