Site Overlay

Influenciadores das mídias sociais contra modelos virtuais


IA versus humanos: influenciadores das mídias sociais contra modelos virtuais

Usar influenciadores virtuais não é novidade: a Barbie já tem milhões de seguidores no Instagram.

Paris:

Os influenciadores das redes sociais adotaram a inteligência synthetic para apimentar o seu conteúdo, mas também enfrentam uma concorrência crescente de Instagramers, TikTokers e YouTubers gerados por IA.

Com cabelo rosa e posando em lingerie, maiôs ou roupas de ginástica, Aitana Lopez tem mais de 300 mil seguidores no Instagram, onde é descrita como uma “gamer de coração” e “amante do health” – exceto que ela não é actual.

Aitana foi criada pela The Clueless, uma empresa com sede em Barcelona que se descreve como uma “agência de modelos de IA” dirigida por “visionários com a missão de redefinir o mundo dos influenciadores”.

Sofia Novales, gerente de projetos da The Clueless, disse que o “aumento dos custos associados aos influenciadores humanos” foi a razão por trás da criação da empresa.

“Os modelos virtuais, por serem digitais, apresentam uma alternativa mais econômica”, disse Novales.

Outra vantagem: controle whole sobre o conteúdo.

“As vantagens residem no controle criativo incomparável, permitindo a tomada de decisões perfeitas sobre imagem, moda e estética, sem a necessidade de sessões fotográficas físicas”, disse Novales.

A ascensão da IA ​​alimentou preocupações sobre a proliferação de vídeos deepfake que poderiam ser usados ​​maliciosamente.

A Meta, dona do Fb e do Instagram, disse na sexta-feira que começaria a colocar “rótulos Feito com IA” em conteúdo gerado por IA em maio.

A IA apresenta uma enorme oportunidade de negócios para criadores de conteúdo: espera-se que o mercado de influenciadores cresça rapidamente, de US$ 16,5 bilhões em 2022 para quase US$ 200 bilhões em 2032, de acordo com a Allied Market Analysis.

Público mais jovem

Usar influenciadores virtuais não é novidade: a Barbie já tem milhões de seguidores no Instagram.

Mas agora eles estão sendo usados ​​em anúncios onde não podem ser diferenciados de uma pessoa actual.

Vejamos o caso de Lil Miquela, um “robô de 19 anos que mora em Los Angeles” criado por uma agência da Califórnia em 2016.

Com 2,6 milhões de seguidores no Instagram e 3,5 milhões no TikTok, Lil Maqueta promoveu marcas tão grandes como a BMW.

A ideia period “criar algo nunca visto antes”, disse a montadora alemã em comunicado à AFP.

“Atrair uma geração mais jovem e conhecedora de tecnologia é para nós a cereja do bolo”, afirmou.

Maud Lejeune, que dirige a agência de estratégia digital AD Crew, com sede em Paris, disse que não é difícil para o público aceitar influenciadores de IA.

“É como os atores da TV: sabemos que não é actual, mas os acompanhamos e achamos interessante, é como assistir a uma minissérie”.

AD Crew representa mais de 30 influenciadores, mas Lejeune criou seu próprio influenciador digital, Metagaya, há dois anos.

“O nível atual de design não existia naquela época. É técnico, é preciso vesti-los, tirar fotos para o fundo, criar uma história”, disse Lejeune, reconhecendo que Metagaya não deu muito certo.

O rápido progresso tecnológico trazido por empresas como o gerador de vídeo Sora da OpenAI poderia tornar mais fácil a criação e operação de influenciadores virtuais realistas.

Deepfakes

Os influenciadores humanos também estão aproveitando a tecnologia de IA para fazer vídeos melhores.

Charles Sterlings, da França, vê uma oportunidade para melhorar as traduções.

Ele usa diferentes ferramentas em plataformas como HeyGen e Rask.ai para traduzir e sincronizar automaticamente suas postagens de vídeo para inglês e espanhol.

Sterlings também usa Deepshot, uma plataforma que permite aos usuários criar deepfakes alterando as palavras e os movimentos da boca das pessoas em vídeos reais.

Ele disse que levou apenas alguns minutos e alguns dólares para manipular um vídeo do presidente francês Emmanuel Macron.

Mas Sterlings vê a tecnologia como um concorrente e também como uma ferramenta útil.

“Qualquer pessoa com um telefone pode ser um influenciador. Mas, eventualmente, será inteligência synthetic, disponível 24 horas por dia e muito mais barata de desenvolver”, disse ele.

Para Maud Lejeune, a IA pode ajudar os influenciadores a produzir mais conteúdo.

“É difícil ficar na frente da câmera por muito tempo e certos criadores se esgotam… Talvez a IA forneça uma nova maneira de criar sem se expor”, disse ela.

The Clueless não tem escrúpulos quanto ao fato de seus modelos de IA tirarem negócios de influenciadores reais.

“Não prevemos que modelos reais se tornem obsoletos ou substituídos por modelos gerados por IA como o Aitana”, disse Novales. “Em nossa opinião, eles podem coexistir como mais uma competição do setor”.

(Exceto a manchete, esta história não foi editada pela equipe da NDTV e é publicada a partir de um feed distribuído.)

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

três × um =