Site Overlay

Apoio de palestrantes e nenhuma prisão enquanto estudantes espanhóis se manifestam por Gaza | Notícias


Madri, Espanha – Enormes bandeiras palestinianas estão penduradas nos campi por toda a Espanha enquanto milhares de estudantes protestam contra a guerra de Israel em Gaza.

Algumas aulas foram interrompidas esta semana enquanto os estudantes se manifestavam em Barcelona, ​​Valência, País Basco e Madrid.

Em toda a Europa, ocorreram manifestações semelhantes em universidades dos Países Baixos, França, Reino Unido, Finlândia, Dinamarca e Alemanha, à medida que os jovens se juntam aos seus pares dos Estados Unidos que enfrentam uma resposta violenta da polícia.

Em Amsterdã, a polícia prendeu cerca de 125 ativistas enquanto desmantelavam um acampamento pró-Palestina na Universidade de Amsterdã na terça-feira. A polícia holandesa disse que a sua acção period necessária para “restaurar a ordem” depois dos protestos se terem twister violentos. Não houve relatos de feridos. Imagens transmitidas pela emissora nacional NOS mostraram uma escavadeira mecânica destruindo barricadas e tendas.

Mas em Espanha, um país que historicamente apoia a causa palestiniana, a polícia não esteve até agora envolvida na tentativa de dispersar os protestos.

“Temos que mostrar que nos importamos. Temos que tomar uma posição contra o que está acontecendo em Gaza e a forma como Israel está agindo”, disse Maria Angeles Lopez, 21 anos, estudante de psicologia, à Al Jazeera em frente à Universidade de Barcelona.

“Se os estudantes daqui e de outros lugares mostrarem que não concordamos com o que está acontecendo, então talvez isso faça as pessoas no poder pensarem novamente.”

Em muitas universidades espanholas que testemunharam protestos, mais de 2.000 professores manifestaram-se em apoio às manifestações.

Académicos da Universidade de Málaga também deverão começar a manifestar-se na quarta-feira.

Estudantes da Universidade Complutense de Madrid hastearam uma faixa em um acampamento pró-Palestina em meio ao conflito em curso entre Israel e o grupo islâmico palestino Hamas, em Madrid, Espanha, 7 de maio de 2024. REUTERS/Violeta Santos Moura
Estudantes da Universidade Complutense de Madrid hastearam faixa em acampamento pró-Palestina (Violeta Santos Moura/Reuters)

Os protestos começaram na semana passada na Universidade de Valência, onde dezenas de estudantes acamparam em frente à faculdade de filosofia para exigir o fim da campanha de Israel em Gaza, que até à information matou quase 35 mil palestinianos.

Alba Ayoub, 20 anos, estudante de direito na Universidade de Valência, disse que os estudantes não defenderam o ataque do Hamas ao sul de Israel em 7 de Outubro. Mas disse que o entendia como uma forma de resistência.

O Hamas, o grupo que governa Gaza, lançou uma incursão sem precedentes em 7 de Outubro, durante a qual 1.139 pessoas foram mortas e centenas foram feitas prisioneiras; os ataques marcaram uma escalada acentuada do histórico conflito Israel-Palestina e desencadearam a mais recente e mais mortal guerra de Israel em Gaza.

“Estamos protestando como forma de solidariedade com outros estudantes na América e em outras partes do mundo”, disse Ayoub à Al Jazeera.

“Queremos que a Espanha termine as relações com Israel. A Espanha continua comprando e vendendo armas com Israel. Queremos também que a Espanha leve Israel ao Tribunal Internacional de Justiça com a África do Sul”, acrescentou, referindo-se ao tentativas globais para trazer casos legais.

A Universidade de Valência disse que não tomará nenhuma posição sobre os protestos.

“A UV expressou a sua posição em relação à acção militar de Israel na Faixa de Gaza, apelando ao respeito pelos direitos humanos e a uma solução permanente para a situação na Palestina”, disse numa publicação na X, a rede social.

Coral Latorre, secretário-geral do sindicato estudantil, disse que os manifestantes queriam “acabar com o genocídio em Gaza”.

“Os protestos aqui em Espanha apoiam outros nos Estados Unidos, em França e noutros lugares. Queremos apoiar os nossos irmãos e irmãs na Palestina para acabar com o genocídio que estão sofrendo”, disse ela à Al Jazeera.

“Queremos que o nosso governo e as universidades rompam todas as relações com Israel até atingirmos os nossos objetivos.”

Estudantes da Universidade Complutense de Madrid fazem faixas após montarem um acampamento pró-Palestina em meio ao conflito em curso entre Israel e o grupo islâmico palestino Hamas, em Madri, Espanha, 7 de maio de 2024. REUTERS/Violeta Santos Moura
Milhares de estudantes juntaram-se a protestos em campus em solidariedade a Gaza e aos seus pares em universidades de todo o mundo (Violeta Santos Moura/Reuters)

A Rede Interuniversitária Espanhola de Solidariedade com a Palestina afirmou num comunicado que pretende que a comunidade universitária rejeite o argumento de que o ataque do Hamas, “que condenamos inequivocamente”, pode justificar o bloqueio israelita à Faixa, os ataques indiscriminados e a invasão em curso.

Afirmou que os colonos israelitas estão “impunes” enquanto “aterrorizam” a população da Cisjordânia ocupada e de Jerusalém Oriental – “acções que o direito internacional considera crimes de guerra flagrantes e crimes contra a humanidade”.

A embaixada de Israel na Espanha não comentou a ação estudantil até o momento.

Jordi Mir Garcia, historiador da Universidade Autônoma de Barcelona especializado em protestos estudantis espanhóis, disse que as atuais manifestações foram uma reação aos violentos confrontos universitários nos Estados Unidos.

“O governo de Espanha tem uma postura política incomum, na medida em que defende o reconhecimento do Estado palestiniano. Se fosse pró-Israel, estes protestos poderiam ter acontecido mais cedo em Espanha”, disse ele à Al Jazeera.

“Eles são uma reação aos protestos em Columbia e Los Angeles, nos Estados Unidos”.

Mir disse que apesar da longa ditadura do normal Francisco Franco entre 1939 e 1975, os movimentos estudantis desempenharam um papel basic na mudança social.

“Em 1966, surgiu um movimento estudantil independente que desempenhou um papel importante no movimento rumo à democracia no remaining da ditadura”, disse ele.

“Eles também estiveram envolvidos no movimento 15-M, que serviu para mudar o sistema político-partidário e o movimento de independência catalão”.

O chamado movimento 15-M, nomeado em homenagem a 15 de Março de 2011 quando começou, começou contra as políticas de austeridade e cresceu até se tornar o partido de extrema-esquerda Podemos, que pôs fim ao sistema bipartidário que dominava a política espanhola.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

2 × quatro =