Site Overlay

Trump atinge mínima em 7 anos em nova pesquisa nacional com aprovação de Biden subindo


O presidente Donald Trump escuta durante uma reunião de gabinete na Casa Branca em Washington, 16 de julho de 2019.

Leah Millis | Reuters

Cerca de um mês após lançar sua campanha presidencial para 2024, o ex-presidente Donald TrumpA posição dos eleitores atingiu seu ponto mais baixo em mais de sete anos, de acordo com um Pesquisa da Universidade Quinnipiac lançado quarta-feira.

Apenas 31% dos eleitores registrados entrevistados têm uma visão favorável de Trump, contra 59% que têm uma opinião desfavorável sobre ele, segundo a pesquisa. Essa é a classificação mais baixa que Trump recebeu desde julho de 2015, pouco depois de lançar sua primeira candidatura presidencial, de acordo com Quinnipiac.

As notas decrescentes de Trump foram ainda piores entre os eleitores independentes, mostrou a pesquisa. Apenas 25% têm uma visão favorável dele, contra 62% que têm uma opinião desfavorável – a classificação mais baixa de Trump entre esse grupo desde que Quinnipiac fez a pergunta pela primeira vez em maio de 2015.

Enquanto 70% dos eleitores republicanos ainda têm uma visão favorável de Trump, 20% disseram que o viam sob uma luz desfavorável – marcando a menor leitura favorável de Trump dos eleitores de seu partido desde março de 2016, segundo Quinnipiac.

A pesquisa, que ouviu 1.456 eleitores registrados de quinta a segunda-feira, tem margem de erro de mais ou menos 2,6 pontos percentuais.

“Os números dos anúncios pós-presidenciais do ex-presidente Trump estão indo na direção errada”, disse Tim Malloy, analista de pesquisas da Quinnipiac College, em um comunicado à imprensa. “Você teria que voltar pelo menos seis anos para encontrar menos apoio para ele dos eleitores republicanos, independentes e americanos como um todo.”

Enquanto isso, a pesquisa descobriu que o presidente de Joe Biden o índice de aprovação de empregos, embora ainda submerso, saltou para o nível mais alto desde setembro de 2021.

Apenas 43% dos entrevistados disseram que aprovavam o trabalho de Biden, enquanto 49% desaprovavam – um aumento em relação à pesquisa Quinnipiac do mês passado, que mostrou seu índice de aprovação de trabalho em 36% e sua desaprovação em 55%.

Biden, que derrotou Trump em 2020, ainda não anunciou se concorrerá novamente em 2024, embora tenha sinalizado que gostaria de uma revanche contra Trump. A maioria dos eleitores registrados disse a Quinnipiac que não gostaria de ver Trump ou Biden como candidato presidencial em 2024.

A oferta de Quinnipiac é a mais recente de uma série de pesquisas recentes que mostram que o apoio de Trump está diminuindo ou desmoronando após as eleições de meio de mandato de novembro. Trump foi criticado por alguns colegas republicanos depois que muitos de seus candidatos escolhidos a dedo perderam corridas de destaque, ajudando os democratas a expandir sua maioria no Senado em um ciclo que deveria favorecer o Partido Republicano.

Ao mesmo tempo, o governador da Flórida, Ron DeSantis, uma estrela em ascensão no Partido Republicano que venceu facilmente a reeleição no mês passado, assumiu uma vantagem considerável sobre Trump em algumas pesquisas iniciais da luta primária republicana de 2024.

Uma pesquisa do Wall Road Journal na quarta-feira anterior, por exemplo, mostrou DeSantis vencendo Trump por dois dígitos entre os prováveis ​​eleitores primários do Partido Republicano, 52% a 38%. Esse resultado, que carrega uma margem de erro de mais ou menos 6 pontos percentuais, veio mesmo quando DeSantis não anunciou uma candidatura à Casa Branca e acabou de assinar outro mandato de governador de quatro anos. A última pesquisa de Quinnipiac não perguntou aos entrevistados sobre DeSantis.

Solicitada a comentar, uma fonte próxima a Trump observou que uma recente Sondagem Consulta da Manhã mostrou Trump mantendo o tribunal como o favorito, apoiado por 49% dos potenciais eleitores primários do Partido Republicano, em comparação com 31% que favoreceram DeSantis.

Política da CNBC

Leia mais sobre a cobertura política da CNBC:

Trump, que até agora é o único candidato importante a anunciar uma candidatura presidencial para 2024, passou pouco tempo na campanha eleitoral. Em vez disso, sua última candidatura à Casa Branca foi marcada por controvérsias e derrotas: ele sugeriu nas redes sociais que a Constituição pode ser extinta para colocá-lo de volta no poder, antes de voltar atrás nos comentários; ele jantou com Ye, o rapper que recentemente expressou uma ampla gama de comentários anti-semitas e um supremacista branco. Seu candidato preferido na corrida para o Senado da Geórgia, Herschel Walker, perdeu para o senador Raphael Warnock em uma eleição de segundo turno em dezembro, e duas subsidiárias de seu império comercial, a Trump Group, foram condenado por crimes inclusive fraude fiscal.

Em um publish nas redes sociais na quarta-feira, Trump disse que faria um “grande anúncio” na quinta-feira. A postagem foi acompanhada por um vídeo de Trump dizendo: “A América precisa de um super-herói”, junto com uma breve animação mostrando uma versão em desenho animado de Trump disparando lasers de seus olhos em frente à Trump Tower.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

3 × três =