Site Overlay

Partido no poder da Croácia caminha para vitória eleitoral sem maioria: pesquisa de saída | Notícias Eleitorais


As sondagens à boca-de-urna projectam que o partido HDZ, que governa a Croácia, está a caminho de conquistar 58 lugares num parlamento de 151 lugares.

O partido HDZ, que governa a Croácia, deverá vencer na quarta-feira eleições parlamentares mas com menos assentos do que antes e sem maioria, de acordo com uma pesquisa de saída da Ipsos publicada na Nova TV native.

O HDZ estava a caminho de conquistar 58 assentos no parlamento de 151 assentos, menos do que os 66 que tinha anteriormente. Mas isso ainda seria mais do que a coligação de oposição liderada pelos Sociais Democratas (SDP), que deverá conquistar 44 assentos, previu a sondagem à boca-de-urna.

O Movimento Pátria, de direita, ficaria em terceiro lugar, com 13 cadeiras.

Os croatas votaram em grande número nas eleições parlamentares, depois de uma campanha amarga travada entre o primeiro-ministro em exercício e um presidente populista que queria o cargo de primeiro-ministro. O tribunal constitucional da Croácia já havia decidido que o presidente não poderia concorrer a primeiro-ministro, ou fazer campanha para qualquer partido, sem antes renunciar. O presidente da Croácia, Zoran Milianovic, ignorou a ordem.

A Comissão Eleitoral Estadual disse que a participação até às 16h30 (14h30 GMT) foi de 50,6 por cento, em comparação com 34,4 por cento no mesmo horário da última eleição parlamentar, realizada em 2020. As seções eleitorais fecharam às 19h, horário native (17h GMT). .

O resultado, se confirmado, provavelmente daria início a um período de instabilidade política no Estado-Membro da União Europeia, à medida que os principais partidos procuram forjar alianças com outras facções com opiniões políticas diferentes.

O confronto entre o primeiro-ministro conservador Andrej Plenkovic e o presidente populista de esquerda Milanovic ocorreu num momento em que o país luta contra a corrupção, a escassez de mão-de-obra, a taxa de inflação mais elevada da zona euro e a migração irregular.

Eleitores esperam perto de uma assembleia de voto em Zagreb
Eleitores esperam perto de seção eleitoral em Zagreb (Darko Bandic/AP)

A elevada inflação e os escândalos de corrupção nos últimos oito anos prejudicaram o apoio ao HDZ, que tem dominado a política croata desde a independência em 1991.

Classificando as eleições como um “referendo sobre o futuro do país”, Milanovic, 57 anos, apelou aos cidadãos para “saírem e votarem em qualquer um que não seja o HDZ”.

Chamando Plenkovic de “o padrinho do crime”, Milanovic destacou a recente nomeação do novo procurador-geral do país, um juiz com alegadas ligações a suspeitos de corrupção.

Vários ministros de Plenkovic demitiram-se na sequência de acusações e a luta anticorrupção foi basic para a candidatura da Croácia à adesão à UE em 2013.

Plenkovic acusou repetidamente Milanovic de ser “pró-Rússia” devido às suas críticas ao apoio da UE à Ucrânia contra a invasão da Rússia, bem como à sua oposição ao treino de soldados ucranianos na Croácia, que é membro da NATO.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

três × cinco =