Site Overlay

Oxfam divulga relatório sobre desigualdade no início do Fórum Econômico Mundial em Davos


O mundo poderá ter o seu primeiro trilionário dentro de 10 anos se as atuais tendências de desigualdade continuarem, afirmou o grupo antipobreza Oxfam Worldwide num relatório publicado na segunda-feira, refletindo o fosso crescente entre os ricos e os pobres do mundo.

O relatório, intitulado “Desigualdade Inc.”, foi lançado no mesmo dia do início do Fórum Econômico Mundial anual em Davos, na Suíça. Seus autores dizem que o mundo está vivendo uma “década de divisão”, apontando que, desde 2019, as cinco pessoas mais ricas do mundo quase duplicaram a sua riqueza, enquanto quase 5 mil milhões de pessoas ficaram mais pobres.

Usando dados da Forbes, os autores do relatório calcularam que a riqueza combinada desses cinco homens – o CEO da Tesla, Elon Musk; Bernard Arnault e sua família, proprietários do grupo de produtos de luxo LVMH; o fundador da Amazon, Jeff Bezos; o fundador da Oracle, Larry Ellison; e o investidor Warren Buffett – aumentou de US$ 453 bilhões em 2019 para US$ 869 bilhões em novembro de 2023. (Bezos é dono do The Washington Publish.)

Em seu metodologiaos autores escreveram que se essa trajetória de crescimento continuar, Musk – a pessoa mais rica do mundo, segundo Forbes – deverá tornar-se trilionário em menos de nove anos, embora tenham notado que a estimativa está sujeita a incerteza.

“Se cada um dos cinco homens mais ricos gastasse um milhão de dólares diariamente, levariam 476 anos para esgotar a sua riqueza combinada”, escreveram os autores da Oxfam.

Os representantes desses indivíduos não puderam ser encontrados imediatamente na noite de segunda-feira.

Como os dados de herança explicam secretamente a desigualdade nos EUA

Mas, disse a Oxfam, para as pessoas mais pobres do mundo – que são mais provavelmente mulheres e grupos marginalizados em todas as sociedades – “a vida quotidiana tornou-se mais brutal” desde 2019. Apontou para os efeitos da coronavírus pandemia, bem como “a escalada dos conflitos, a aceleração da crise climática e o aumento dos custos de vida”.

O relatório também afirma que, globalmente, os homens possuem mais 105 biliões de dólares do que as mulheres – uma diferença de riqueza equivalente a mais de quatro vezes o tamanho da economia dos EUA.

A Oxfam instou os governos de todo o mundo a adoptar limites máximos para os salários dos CEO, juntamente com impostos permanentes sobre a riqueza e os lucros excessivos.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

um × 2 =