Site Overlay

Mapas e fotos: A escala das enchentes que inundaram o sul do Brasil


José Tadeu estava em casa, em Sarandi, no estado do Rio Grande do Sul, no extremo sul do Brasil, quando viu a água subindo. “Quando bateu na minha cintura pensei: 'É agora ou nunca, tenho que sair daqui'”, disse ele. Ele pegou uma sacola com algumas roupas e seus documentos e saiu. José está agora em um abrigo universitário com outros nove familiares. Eles estão entre as mais de 580 mil pessoas que foram deslocadas pelas enormes enchentes que paralisaram o sul do Brasil no início de maio.

Inundações sem precedentes paralisaram o estado, onde vivem mais de 11 milhões de pessoas. A catástrofe causou uma crise de deslocação e extensos danos infra-estruturais, deixando grande parte da área isolada. Embora o Brasil tenha enfrentado desastres naturais frequentes nos últimos anos, o alcance e o impacto deste são particularmente alarmantes.

Mais de 450 municípios foram inundados e muitos continuam submersos. O desastre histórico matou 163 pessoas, muitas ainda desaparecidas, e feriu mais de 800.

Esta é uma visão do estado brasileiro do Rio Grande do Sul no closing de abril, do fornecedor de imagens de satélite Maxar.

No início de Maio, inundações massivas assolaram o estado do sul, o pior desastre deste tipo alguma vez registado na área.

Embora já marcante, esta imagem representa apenas uma parte da extensão das enchentes no Rio Grande do Sul.

As inundações foram observadas em uma área de pelo menos 30.000 milhas quadradas, de acordo com dados do Programa de Desastres da NASA. Autoridades do governo dizem que mais de 90% dos municípios do estado e 2,3 milhões de pessoas foram afetados.

Se colocadas na costa leste dos Estados Unidos, as inundações abrangeriam o norte da Virgínia até Maryland e se espalhariam por Delaware e Virgínia Ocidental.

O Rio Grande do Sul recebeu chuvas médias de cerca de oito meses apenas na primeira quinzena de maio, segundo Luciano Zasso, professor de geografia da universidade estadual, PUCRS. O excesso de chuvas fez com que o sistema fluvial da região transbordasse, submergindo muitas áreas urbanas e rurais.

Valdir Wales olha sua casa atingida pelas enchentes no bairro Medianeira, em Eldorado do Sul, em 22 de maio de 2024. (Anselmo Cunha/AFP/Getty Photos)

Em entrevista coletiva no início de maio, o governador Eduardo Leite disse que as enchentes são o pior desastre já registrado no estado do Rio Grande do Sul. “Talvez um dos piores desastres que o país registou na história recente.”

As águas do Lago Guaíba, que circunda o litoral da capital Porto Alegre, subiram para 17 pés no início de maio, nível que não period registrado desde 1941.

Um mapa mostra que o litoral de Porto Alegre, Canoas e Eldorado do Sul, todos próximos a corpos d’água, foram alagados. Um gráfico mostra que o nível da água em um píer do rio Jacuí, próximo às cidades, subiu para 5,4 metros no dia 5 de maio, muito acima do nível que as paredes do rio conseguem conter. É também o mais alto desde 1941.

A rápida ascensão, muito acima do que as barreiras da cidade são capazes de conter, submergiu a maior parte das áreas urbanas ao longo da costa.

Para Zasso, o evento extremo foi resultado de uma combinação de fatores. Além das precipitações extremamente elevadas, o aquecimento world e o recente crescimento populacional em áreas vulneráveis ​​podem ter contribuído para as inundações. “Na última década, temos visto uma taxa elevada de pavimentação”, disse ele. “Isso leva à remoção da vegetação pure que protege os rios de transbordarem.”

Porto Alegre e sua cidade vizinha Canoas, ambas situadas à beira-mar, foram fortemente afetadas. Só na capital paulista, quase 40 mil prédios foram danificados, segundo relatório análise governamental. Entre eles estavam residências, escolas, hospitais, escritórios comerciais e varejistas.

Ivanir de Fátima Fragoso, que mora em um bairro de Porto Alegre próximo ao rio Jacuí há 34 anos, disse que viu enchentes ir e vir ao longo dos anos, mas desta vez é diferente. “Antes perdíamos algumas coisas, mas podíamos recuperar, reparar, esperar secar”, disse ela. “Agora não. Minha casa está completamente submersa. Eu perdi tudo.”

Uma imagem de satélite do litoral de Porto Alegre e da cidade vizinha Canoas, de 7 de maio, mostra muitas residências, empresas, um estádio e o aeroporto submersos.

A capital sofreu enormes danos infraestruturais. O aeroporto, a estação ferroviária e a rodoviária da cidade foram inundadas. Várias estradas que levam à cidade foram bloqueadas devido ao alto nível das águas.

A Prefeitura de Porto Alegre ficou cercada de água. As inundações também atingiram os centros de dados do governo, que tiveram de ser desligados, paralisando muitos serviços estatais.

Membros da Guarda Municipal patrulham as ruas alagadas de barco perto da Prefeitura de Porto Alegre no dia 17 de maio. (Jefferson Bernardes/Getty Photos)

Três semanas após as chuvas mais fortes, as autoridades estaduais ainda relatam mais de 80.000 locais sem energia. Muitos ainda não têm serviços de água ou web.

O caos também se instalou em cidades menores ao longo do rio Taquari, que atravessa o Rio Grande do Sul. Muitos que estavam em áreas mais isoladas tiveram que ser resgatados de helicóptero.

Vista aérea do estádio Arena do Grêmio, em Porto Alegre, Rio Grande do Sul, Brasil, em 7 de maio.
(Imagens AFP/Getty)
Vista aérea mostrando aviões em uma pista inundada no Aeroporto Internacional Salgado Filho, em Porto Alegre, Brasil, em 6 de maio.
(EPA-EFE/Shutterstock)

A água engoliu duas arenas de futebol na capital. Neste, na zona norte de Porto Alegre, quase um metro de água encharcou o campo.

As enchentes deixaram aviões presos na pista do aeroporto internacional de Porto Alegre. O saguão do aeroporto ficou completamente inundado.

A oeste da capital, alguns trechos do rio Taquari atingiam 89 pés, nível que não period visto há quase 70 anos. Muitas cidades menores ao longo da água foram destruídas.

Uma delas é a cidade de Taquari, onde pelo menos 1.300 pessoas ficaram desabrigadas pelas enchentes. Muitos residentes que dependiam da agricultura e da pecuária para viver perderam tudo. Autoridades governamentais dizem que a recuperação agrícola poderá levar um ano.

É pouco provável que as condições melhorem até Junho e poderão piorar. A chuva causou centenas de deslizamentos de terra em todo o estado, deixando moradores presos e aguardando resgate. Uma barragem hidrelétrica na parte noroeste do estado ruiu parcialmente devido às enchentes. Outro está sob “risco iminente de colapso”, segundo o governo do estado. Outros seis estão em alerta máximo.

Mapa mostrando deslizamentos de terra no Rio Grande do Sul de 20 de abril a 8 de maio

Em um declaração exclusiva ao The Washington Submit, o presidente do Brasil, Luiz Inácio Lula da Silva, atribuiu a tragédia às falhas da comunidade world em responder às mudanças climáticas. “Esta foi a terceira enchente recorde na mesma região do país em menos de um ano”, disse Lula ao Submit. “Nós e o mundo precisamos de nos preparar todos os dias com mais planos e recursos para lidar com ocorrências climáticas extremas.”

O caminho da recuperação do Rio Grande do Sul será longo e árduo. As casas inundadas precisarão de reparos. As pontes desabadas precisarão de reconstrução. As autoridades afirmam que o aeroporto internacional de Porto Alegre permanecerá fechado até setembro, no mínimo.

Na semana passada, o governador Leite anunciou que o estado construirá moradias temporárias para os moradores afetados em quatro cidades do litoral leste do estado, incluindo a capital.

Entretanto, mais de 65 mil pessoas abrigam-se em escolas e ginásios em todo o estado, à espera que o nível da água baixe para poderem voltar e inspecionar as suas casas. Fragoso, que fugiu de casa em Porto Alegre, é uma delas. Para ela, o principal desafio está pela frente. “A tragédia foi difícil, mas agora será ainda mais difícil. Voltando para casa para ver o que sobrou… não vai ter nada”, disse ela.

Sobre esta história

Marina Dias e Terrence McCoy contribuíram para este relatório do Brasil. Edição gráfica por Samuel Granados. Edição de texto por Rebecca Branford.

Fontes: Os dados sobre a extensão das inundações em todo o estado são de Programa de Desastres da NASA e foi derivado de duas imagens OPERA DSWx-HLS tiradas em 21 de abril e 6 de maio de 2024. Dados sobre deslizamentos de terra também é da NASA e abrange eventos detectados entre 20 de abril e 8 de maio de 2024. Os dados não são exaustivos e as áreas cobertas por nuvens não foram incluídas. As imagens de satélite são da Maxar Applied sciences. Os dados sobre os corpos hídricos brasileiros são da Agência Nacional de Águas. Os dados sobre a extensão das enchentes no entorno de Porto Alegre são do Instituto de Pesquisa Hidráulica da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (IPH/UFRGS) e é baseado em observações feitas em 6 de maio. Os dados populacionais são do WorldPop. Os dados sobre os níveis de água no Píer Mauá são do Hidrotelemetria.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

treze + cinco =