Site Overlay

Hackers russos afirmam ter se infiltrado no FBI | Mundo | Notícia


russo O grupo de hackers KillNet alegou ter se infiltrado no FBI em um ataque cibernético maciço no NÓS agência de segurança. O grupo pró-Kremlin postou uma captura on-line para roubar os dados pessoais de mais de 10.000 agentes federais dos EUA.

O ataque do KillNet ainda não foi verificado, mas o grupo afirma que os dados hackeados incluem senhas de redes sociais e detalhes bancários.

As capturas de tela compartilhadas pelo grupo do Telegram parecem se gabar de acesso a senhas de lojas on-line, carteiras de identidade médica e contas do Google, Apple e Instagram.

“Todas as senhas das lojas on-line para o cartão de aceitação em massa, Google e contas da Apple estão à nossa disposição”, dizia um comunicado atribuído aos hackers nos canais russos do Telegram.

Uma gravação de tela parece mostrar o hacker dentro da conta do Fb de um funcionário do Departamento de Estado dos EUA.

A gravação captura o momento em que os hackers tentam mostrar controle sobre a conta hackeada postando “Somos KillNet” na página de perfil da pessoa.

Suspeita-se que a KillNet esteja por trás de uma série de ataques contra instituições governamentais ocidentais e empresas privadas desde o início da invasão russa da Ucrânia em fevereiro.

Os hackers são suspeitos de tentar derrubar o web site do Competition Eurovisão da Canção durante a apresentação da Ucrânia no concurso de 2022, mas o ataque foi frustrado pelas autoridades italianas.

No mês passado, o grupo é suspeito de lançar ataques contra os websites de vários aeroportos importantes nos Estados Unidos, derrubando os websites com sucesso.

APENAS EM: Von der Leyen diz que acusações de corrupção são “extremamente preocupantes”

“Eles são extremamente reacionários aos eventos geopolíticos atuais.”

Isso ocorre depois que o Ministério das Relações Exteriores da Rússia alertou na quinta-feira que, se os EUA entregarem sofisticados sistemas de defesa aérea à Ucrânia, esses sistemas e quaisquer tripulações que os acompanhem seriam um “alvo legítimo” para os militares russos, uma ameaça contundente que foi rapidamente rejeitada por Washington.

A troca de declarações refletiu as crescentes tensões Rússia-EUA em meio aos combates na Ucrânia, que agora está em seu décimo mês.

A porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da Rússia, Maria Zakharova, disse que os EUA “se tornaram efetivamente uma parte” da guerra, fornecendo armas à Ucrânia e treinando suas tropas.



Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

dezessete + quinze =