Site Overlay

EUA sinalizam que estão abertos à retirada de algumas tropas do Iraque


O secretário da Defesa, Lloyd Austin, deixou a porta aberta na quinta-feira para a redução da presença militar dos EUA no Iraque, dizendo que as reuniões marcadas para começar em breve entre autoridades dos dois países permitirão uma “transição para uma parceria de segurança bilateral duradoura” que se baseia em anos de operações conjuntas. contra o Estado Islâmico.

Austin, num comunicado divulgado pelo Pentágono, disse que as tropas dos EUA permanecem no Iraque a convite do governo de Bagdá. Próximas reuniões da Comissão Militar Superior EUA-Iraque, um grupo que compreende a segurança nacional Autoridades de ambos os governos analisarão a presença das forças dos EUA no país, considerando ao mesmo tempo a ameaça que os militantes representam, os requisitos que permanecem e as capacidades militares iraquianas, acrescentou Austin.

Os comentários vêm durante um período volátil. Muitas autoridades iraquianas apelaram à expulsão das forças dos EUA após um ciclo de violência que durou meses, inflamado pela guerra Israel-Gaza, entre milícias apoiadas pelo Irão e as forças dos EUA. Austin continua convalescendo em casa depois uma hospitalização prolongada após complicações da cirurgia para tratar o câncer de próstata.

As posições militares dos EUA no Iraque e na Síria foram atacadas pelo menos 151 vezes desde Outubro por grupos militantes treinados e fornecidos pelo Irão. Funcionários do Pentágono observam que cerca de 2.500 soldados dos EUA permanecem no Iraque e que 900 estão destacados para a Síria como proteção para evitar o ressurgimento do Estado Islâmico. Mas as autoridades iraquianas têm respondido cada vez mais com raiva quando os Estados Unidos retaliaram com ataques aéreos. As milícias associaram os seus ataques à guerra em Gaza e ao apoio dos EUA à campanha de Israel contra o Hamas.

As autoridades iraquianas, num comunicado, reconheceram o início das reuniões, mas não deixaram claro se pedirão a saída das forças dos EUA.

A declaração, divulgada pelo Ministério dos Negócios Estrangeiros iraquiano, afirma que “em linha com as crescentes capacidades das forças iraquianas”, o governo iraquiano está a anunciar “o sucesso das negociações contínuas” que começaram em Agosto sobre passos futuros.

As reuniões da comissão visam formular “um cronograma específico e claro que decide a duração da presença dos conselheiros da coligação internacional no Iraque, iniciando uma redução gradual e cuidadosa da sua presença em solo iraquiano, concluindo a missão militar contra (o Islâmico Estado) e a transição para relações bilaterais abrangentes com os países da coligação em política, economia, cultura, segurança e assuntos militares, alinhando-se com a visão do governo iraquiano”, afirmou o Ministério dos Negócios Estrangeiros.

O parlamento iraquiano votou pela expulsão das forças militares dos EUA do país. Mas as autoridades dos EUA disseram que receberam nenhuma notificação formal.

Autoridades norte-americanas, falando sob condição de anonimato numa teleconferência organizada pelo Pentágono, mostraram-se relutantes em oferecer detalhes adicionais sobre a forma que o novo acordo no Iraque poderia assumir. A onda de ataques de milícias provocou um atraso nas reuniões da comissão no outono, mas elas começarão agora, disse um alto funcionário da defesa na teleconferência.

“Não há como prever exatamente aonde isso vai levar, ou em que cronograma isso vai levar”, disse o funcionário.

A falta de clareza deixou aberta a possibilidade de os Estados Unidos retirarem tropas de alguns locais do Iraque e, potencialmente, da Síria. As forças dos EUA na Síria dependem do apoio logístico do pessoal americano no Iraque.

Um alto oficial militar, falando na mesma teleconferência, disse que cerca de 70 americanos ficaram feridos nos ataques das milícias desde outubro, com um soldado gravemente ferido. A presença contínua, disse ele, desempenhou um papel na prevenção de células próximas do Estado Islâmico de realizarem ataques maiores.

As discussões culminam duas décadas de envolvimento militar dos EUA no Iraque. O presidente George W. Bush ordenou a invasão do país em Março de 2003 com base em informações falsas de que o então líder Saddam Hussein possuía armas de destruição maciça.

A invasão desencadeou uma insurreição violenta que deixou mais de 4.000 soldados norte-americanos e centenas de milhares de iraquianos mortos. No auge do avanço dos EUA, mais de 170 mil soldados americanos estavam no terreno.

O presidente Barack Obama retirou as tropas restantes dos EUA, comandadas por Austin quando ele period basic de quatro estrelas, no closing de 2011. As tropas dos EUA regressaram ao Iraque em 2014, depois de militantes do Estado Islâmico terem tomado o controlo de cerca de um terço do país.

Mustafa Salim e Missy Ryan contribuíram para este relatório.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

dois × três =