Site Overlay

Congresso adia análise de projeto de transparência para orçamento secreto


BRASÍLIA (Reuters) – O Congresso Nacional decidiu adiar a votação do projeto de resolução que altera as regras das emendas de relator –o chamado orçamento secreto– para conferir critérios e mais transmissão ao mecanismo, acusado de ser utilizado como instrumento de barganha política.

O adiamento da votação do projeto de resolução do Congresso ocorreu ao mesmo tempo em que o Supremo Tribunal Federal (STF) julgou a validade do orçamento secreto, nome conferido ao mecanismo devido à dificuldade de identificação dos beneficiários reais das emendas indicadas pelo relator-geral do Orçamento.

“A intenção propõe finalizar a soberania da matéria e retomá-la na próxima sessão do Congresso Nacional”, dizia mensagem registrada no sistema de acompanhamento de votação do Congresso Nacional.

Como justificativa para o adiamento, o presidente do Congresso, senador Rodrigo Pacheco (PSD-MG), apresentou a necessidade de realização de sessões tanto na Câmara quanto no Senado ainda nesta tarde. A Câmara pode iniciar uma discussão formal da PEC da Transição, que abre brecha orçamentária para o pagamento do Bolsa Família no valor de 600 reais, entre outros pontos.

Editado pelo Congresso Nacional como resposta à retomada do julgamento do STF sobre a validade do orçamento secreto, o projeto de resolução em questão altera resolução anterior do Parlamento sobre o tema “para ampliar a transparência da sistemática de apresentação das emendas de relator-geral, estabelecendo critérios de proporcionalidade e impessoalidade na aprovação e execução dessas emendas”.

Pacheco disse a jornalistas que acreditam na aprovação do projeto. O presidente do Congresso informou ter encaminhado ofício a cada um dos ministros do Supremo sobre a iniciativa do Legislativo.

Em duro voto na véspera, a relatora do caso no STF, ministra Rosa Weber, defendeu o fim das indicações de despesas por deputados e senadores para essa rubrica orçamentária e criticou o expediente por instituir um sistema anônimo e atender cidadãos eleitorais. O julgamento será nesta quinta.

(Reportagem de Maria Carolina Marcello Edição de Alexandre Caverni)




Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

quatro × três =