Site Overlay

ANC da África do Sul buscará governo de unidade nacional, diz Ramaphosa | Notícias de política


Presidente sul-africano Cirilo Ramaphosa anunciou que o seu partido Congresso Nacional Africano (ANC) procurará um governo de unidade nacional, que, segundo ele, reflectiria a vontade dos eleitores e ajudaria o país a avançar.

Ramaphosa fez o anúncio na noite de quinta-feira, após uma reunião de uma hora do Comité Executivo Nacional (NEC) do partido em Joanesburgo, onde os líderes do ANC mantiveram conversações para tentar chegar a acordo sobre um possível caminho a seguir.

O ANC perdeu a sua maioria parlamentar pela primeira vez na period democrática, mas continua a ser o maior partido do país.

“Concordámos em convidar os partidos políticos a formar um governo de unidade nacional como a melhor opção para fazer avançar o nosso país”, disse Ramaphosa aos jornalistas.

“O objectivo do governo de unidade nacional deve ser, em primeiro lugar, abordar as questões prementes que os sul-africanos desejam que sejam abordadas.”

Ele apelou à “unidade mais ampla” entre os sul-africanos para resolver os problemas do país, incluindo o crime, a pobreza, o elevado custo de vida e a corrupção.

“Este momento também exige cooperação multipartidária e colaboração entre as partes interessadas, se quisermos superar os graves desafios que o nosso país enfrenta”, disse Ramaphosa.

Acrescentou que o ANC ouviu o povo da África do Sul e reconheceu a sua “frustração” expressada durante as eleições de 29 de Maio.

O antigo movimento de libertação tem governado a África do Sul desde que chegou ao poder com Nelson Mandela no comando nas eleições de 1994 que marcaram o fim do apartheid. Mas foi punido pelo seu histórico conturbado nas eleições da semana passada.

Embora proceed a ser o maior partido, o ANC já não pode governar sozinho.

“Este é um momento para mentes sóbrias”, disse o secretário-geral do ANC, Fikile Mbalula, na quinta-feira.

“Estamos analisando todas as opções”, disse ele aos repórteres.

A África do Sul tem lutado com um crescimento económico lento, altos níveis de pobreza e desemprego, uma persistente divisão racial de riqueza, graves carências de energia e corrupção política.

O resultado das eleições criou uma situação complexa para o ANC, que terá 159 dos 400 assentos na nova Assembleia Nacional – abaixo dos 230 em 2019.

Observadores dizem que pode ser difícil conseguir uma coligação, dadas as diferenças radicais entre alguns grupos que deveriam fazer parte dela.

“Não consigo… ver como isso pode realmente funcionar”, disse a analista e autora Susan Booysen à agência de notícias AFP. “Há muita desavença e ressentimento entre os diferentes partidos políticos.”

Procure parceiros

Os rivais mais próximos do ANC são a Aliança Democrática (DA), liderada pelos brancos, pró-negócios, com 87 assentos, o populista uMkhonto we Sizwe (MK), liderado pelo ex-presidente Jacob Zuma, com 58, e os Lutadores da Liberdade Económica, de extrema esquerda. (EFF) com 39.

O MK confirmou num comunicado na quinta-feira que “realizaram-se de facto compromissos com o (ANC) relativamente às discussões da coligação”.

“Espera-se que uma reunião ocorra em breve, onde o Partido MK ouvirá as opiniões apresentadas com a mente aberta”, afirmou.

O novo parlamento tem de reunir-se no prazo de duas semanas após a declaração dos resultados de domingo e um dos seus primeiros actos deve ser eleger o presidente.

O prazo constitucional, que terminará em ou perto de 16 de Junho, está a pressionar o ANC e outros para chegarem rapidamente a um acordo.

As alternativas a um governo de unidade poderiam incluir um governo de coligação ou uma minoria ANC governo com o apoio de votos importantes de outros partidos em troca de concessões políticas.

“Nós nos envolvemos com todos e estamos conversando com partidos ainda menores. Queremos trazer todos a bordo”, disse Mbalula.

O DA, por sua vez, sinalizou na quarta-feira que não queria aderir a um governo que também incluísse o MK ou a EFF.

Qualquer acordo com a DA seria bem recebido pelos mercados financeiros, mas impopular entre muitos apoiantes do ANC, que consideram o partido um defensor daquilo a que alguns sul-africanos chamam “capital monopolista branco”.

Tanto a EFF como o MK são liderados por antigas figuras do ANC que se separaram e estão em desacordo com a precise liderança. Zumaem specific, detesta abertamente Ramaphosa, e o seu partido disse após as eleições que não trabalharia com “o ANC de Ramaphosa”.

O ANC disse na quarta-feira que não falaria com ninguém que exigisse a renúncia de Ramaphosa como condição para aderir a uma aliança.

Zuma foi forçado a renunciar ao cargo de presidente em 2018, após uma série de escândalos de corrupção. Foi preso por desacato ao tribunal depois de se recusar a participar num inquérito sobre corrupção, o que o impediu de concorrer ao parlamento.

Ele continua muito querido na sua província natal, a populosa KwaZulu-Natal, onde mais polícias foram destacados esta semana para manter a ordem pública.

A província foi palco de tumultos mortais em 2021, quando Zuma foi condenado.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

14 − um =