Site Overlay

Existe ouro naquelas colinas?


Quando o contrato futuro de ouro do primeiro mês caiu em relação ao dia 20 de maioº máxima mais alta (ouro P3) apliquei um Pitchfork padrão (ouro P1 a P3) no gráfico. O que me diz que esta foi a variação correta do forcado que usei é que os preços mantiveram o suporte na Linha Mediana (linha pontilhada dourada marcada com setas verdes) desde que a desenhei. Também antes do pivô de preços nos preços P2 respeitou o suporte no Paralelo Inferior (linha de ouro sólido). O vetor ou ângulo correto do forcado identificou ambas as pernas inferiores da fase corretiva (ouro P1 a P2 e P3 até hoje).

Dito isto, pela segunda vez em dez dias, o Paralelo Superior (linha superior do ouro sólido) limitou os comícios entre tendências de baixa numa base de fecho e numa base intradiária a resistência no Kijun Plot (linha verde sólida) entrou em jogo. A dinâmica descendente está a abrandar, como testemunhado pelo MACD, que está agora a caminhar na corda bamba neutra e insinuando um gancho mais alto. Isto está de acordo com uma curva na Transformada de Fisher acima de sua linha de sinal. Uma continuação da alta de ontem que ultrapasse a conspiração de Kijun e a resistência do preço em US$ 2.395 teria como alvo as máximas de maio, que são US$ 50 mais altas, em US$ 2.455. Yosemite Sam pensou que havia ouro naquelas colinas e eu estou no acampamento dele.

Para os leitores que não estão familiarizados com os termos técnicos ou ferramentas referidas nos comentários sobre a condição técnica do Ouro podem aproveitar um breve tutorial intitulado Ferramentas de Análise Técnica que está publicado no website The Markets Compass…

https://themarketscompass.com

Os gráficos são cortesia da Optuma.

Para receber uma avaliação de 30 dias do software program de gráficos Optuma, acesse…

www.optuma.com/TMC

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

quatro × 1 =